MST recebe combustível e cestas básicas para deixar fazenda

Cerca de 300 famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) receberam 500 litros de combustível, cestas básicas e lonas para deixar, na manhã desta terça-feira, a fazenda Aracanguá, em Araçatuba, interior de São Paulo. A fazenda, de 4,3 mil hectares, estava ocupada desde o dia 24 de novembro. A doação de 100 litros de álcool, 200 litros de diesel, 200 litros de gasolina, de 300 cestas básicas e de 200 lonas para cobrir barracas, foi exigida pelos sem-terra como condição para que deixassem a propriedade sem conflitos. A agropecuária CFM, empresa de procedência inglesa e dona da fazenda, fez a doação para evitar o conflito. "A empresa se empenhou para que a desocupação fosse pacífica", disse o coordenador da CFM Geraldo Martins. Militantes do MST, que não quiseram ser identificados, disseram que o ´acordo´ com o fazendeiro foi feito porque os veículos dos sem-terra estavam sem combustível e eles não tinham comida para se alimentar e nem lonas para cobrir os barracos. Os sem-terra voltaram para a beira de uma estrada vicinal, de onde também tinha sido expulsos pela Justiça a pedido da Prefeitura de Araçatuba. Este texto foi alterado às 20h03 para acréscimo de informações.

Agencia Estado,

05 Dezembro 2006 | 19h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.