MST realiza protesto no vão livre do MASP

Cerca de 200 trabalhadores rurais se concentraram esta manhã no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na Avenida Paulista. O objetivo da concentração é realizar uma passeata em direção à Praça da Sé, na região central de São Paulo. Os líderes do MST estão num carro de som, gritando palavras de ordem exigindo a reforma agrária já, contra o presidente Fernando Henrique Cardoso e contra o Fundo Monetário Internacional (FMI). Não foram registrados incidentes.A manifestação faz parte da série de protestos que o MST está realizando para marcar os cinco anos da morte de 19 trabalhadores rurais num confronto com policiais militares, em Eldorado do Carajás. Haverá marchas, atos ecumênicos, vigílias e concentrações em frente a prédios do Incra e das lojas da rede McDonald?s em todo o País. A estratégia desses protestos é despertar a atenção da sociedade.Um dos líderes nacionais do MST, Gilmar Mauro, afirmou hoje que as manifestações vão ocorrer até final da semana e que não haverá invasões. Segundo ele, os trabalhadores rurais foram orientados no sentido de buscar contato com a sociedade para expor as dificuldades da reforma agrária. Gilmar Mauro garantiu que as ações do MST não são violentas e que as ocupações de terra são um ato cívico para resgatar a dignidade a democracia no País.Os sem-terra devem permanecer em São Paulo até sexta-feira. Às 16 horas, realizam outra manifestação, no Vale do Anhangabaú, região central da capital paulista, em defesa da instalação da CPI da Corrupção, em Brasília.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.