MST realiza ação para pressionar governo do RS

Cerca de cem famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) invadiram a Fazenda Palermo, em São Borja, na fronteira com a Argentina, para pressionar o governo do Rio Grande do Sul a adquirir a propriedade de 1,2 mil hectares, nesta quinta-feira, 24, em uma ação rápida, que começou de manhã e terminou à tarde. Após ameaçar ficar por tempo indeterminado no local, o grupo saiu da área e voltou para um acampamento próximo.É a segunda ocupação da mesma propriedade rural em um ano. Em setembro do ano passado, os sem-terra também montaram acampamento dentro da área da fazenda e saíram um dia depois, cumprindo decisão judicial que determinava a imediata desocupação.Segundo Nilton César, da coordenação estadual do MST, o local foi desapropriado pelo Estado em 2001, mas houve contestação judicial. Ele afirmou que a disputa judicial foi encerrada e agora só faltaria a compra do imóvel para implantar o assentamento.Conforme o MST, há 55 famílias sorteadas para a fazenda, que tem 1,25 mil hectares. Os sem-terra que participaram da invasão estavam acampadas perto da propriedade há um ano e três meses.O Gabinete Estadual da Reforma Agrária confirma que já há uma decisão da Justiça favorável à desapropriação, mas alega que o governo está impedido de fazer o pagamento e concluir o negócio enquanto não houver uma avaliação definitiva do preço do imóvel. As perícias feitas por encomenda do Estado e dos proprietários apresentaram valores contraditórios. Caberá à Justiça arbitrar o preço a ser pago.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.