MST quer nova reunião com governo para discutir reforma

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), João Paulo Rodrigues, disse hoje, em Presidente Venceslau, que as lideranças continuam acreditando na promessa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que a reforma agrária vai avançar. No entanto, o movimento deve pedir uma nova reunião com o governo para discutir a questão. "Preferimos sempre conversar pessoalmente e possivelmente nos próximos 10 dias devemos ter uma reunião oficial do MST com o governo para discutir todos os assuntos relacionados com a reforma agrária." Segundo Rodrigues, o movimento decidiu não comentar as declarações do secretário-geral da Presidência, Luiz Dulci, de que o governo não teria dinheiro para assentar as 60 mil famílias este ano, conforme o presidente havia garantido. "Estamos acreditando no que o Lula nos colocou na audiência oficial que tivemos com ele." O presidente recebeu recentemente os principais líderes do MST no Palácio do Planalto para discutir a reforma. Rodrigues disse a tarefa de conseguir o dinheiro no orçamento é do Estado, não dos movimentos sociais. Sobre a proposta do ex-ministro do Desenvolvimento Agrário e deputado Raul Jungmann (PMDB-PE) de que o governo mobilize meios e, "democraticamente, baixe o pau" para reprimir as invasões patrocinadas pelo MST, o líder disse que "o movimento não comenta esse tipo de declaração." Até a tarde de hoje, o MST aguardava um convite para se reunir com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), durante a visita que fará à região no próximo fim de semana. Alckmin lançará um programa de habitações para trabalhadores rurais em Mirante do Paranapanema. O encontro, proposto pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP), está sendo articulado pelo secretário adjunto da Habitação, Mauro Bragatto. Também serão convidadas as lideranças do Movimento dos Agricultores Sem-Terra (Mast), concorrente do MST.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.