GENARO JONER/AG RBS
GENARO JONER/AG RBS

MST protesta contra fim de escola itinerante com aulas nas ruas

Governo diz que disponilizou transporte para escolas usuais, mas movimento nega ter recebido o benefício

Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo,

13 de outubro de 2009 | 19h12

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) fez manifestações e organizou aulas em praças públicas de Porto Alegre e São Gabriel para protestar contra a extinção das escolas itinerantes, nesta terça-feira.

 

Na capital gaúcha, cerca de cem crianças foram levadas para a Praça Marechal Deodoro, diante do Palácio Piratini, onde ouviram a educadora Ana Maria Araújo Freire, viúva do pedagogo Paulo Freire, falar sobre a importância da educação para o desenvolvimento do País.

 

Nas chamadas "escolas itinerantes" educadores iam aos acampamentos e também acompanhavam deslocamentos ensinando os filhos dos sem-terra. No início deste ano, por acordo com o Ministério Público Estadual, o governo do Rio Grande do Sul extinguiu o sistema, que funcionava havia 12 anos, e se comprometeu a oferecer transporte para os filhos dos sem-terra se deslocarem até as escolas fixas das regiões onde estão os acampamentos.

 

Segundo o MST, a promessa não foi cumprida e cerca de 600 crianças perderam o ano letivo. A Secretaria da Educação afirma que disponibilizou transporte e matrículas aos interessados.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTPorto Alegreescolas itinerantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.