MST planeja novas invasões na Bahia

A direção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) na Bahia anunciou nesta quinta-feira, 17, que mais de 1,5 mil famílias estão acampadas nas proximidades de propriedades rurais no Estado e se organizam para novas ocupações, depois que 150 delas voltaram a invadir a Fazenda Serra Verde, em Jussari.Por questão estratégica, os dirigentes não anteciparam onde ocorrerão as próximas ações, mas admitiram que, ainda neste final de semana, uma nova propriedade considerada por eles como "improdutiva" seja invadida pelos sem-terra.Fazenda Serra VerdeNesta quinta-feira, os sem-terra que ocuparam a Serra Verde na madrugada da quarta-feira, 16, passaram o dia erguendo barracos e capinando áreas onde possam ser plantados milho, feijão, verduras e outras culturas de subsistência.A fazenda, localizada em Jussari, a 490 quilômetros de Salvador, tem área total de 400 hectares e pertence ao Grupo Chaves, cujo principal negócio era o cacau, até a decadência da cultura, em razão da praga conhecida por "vassoura-de-bruxa".Esta é a quarta tentativa de os sem-terra permanecerem na fazenda do Grupo Chaves. Nas três vezes anteriores, o grupo teve de sair atendendo a liminares de reintegração de posse concedidas pela Justiça Federal na Bahia.Como nas três tentativas passadas, também desta vez não houve resistência para a ocupação da fazenda e, mesmo os empregados da propriedade prosseguem sua rotina de trabalho sem interferência dos sem-terra.O cenário, no entanto, dá bem uma idéia do conflito, pois os barracos de madeira cobertos com lona preta contrastam com o casarão que serve de sede para a Serra Verde.O objetivo dos sem-terra, segundo um de seus líderes, Oronildo Costa, é o mesmo de tantas outras ocupações semelhantes: forçar o governo federal a determinar a vistoria de áreas, onde os trabalhadores acreditam que seja possível a desapropriação para fins de reforma agrária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.