MST-PE promete radicalizar no Abril Vermelho 2010

'Vamos romper cercas, ocupar propriedades e montar acampamentos na área rural', diz líder

Angela Lacerda, do O Estado de S. Paulo

29 de março de 2010 | 16h13

Os assentados e acampados ligados ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) em Pernambuco se preparam para "radicalizar" no "abril vermelho" deste ano, que tem início dia 17. Foi o que garantiu nesta segunda-feira, 29, o líder regional, Jaime Amorim, numa confirmação à notícia divulgada pelo Estado, semana passada, sobre a decisão do movimento nacional de intensificar a jornada de atividades neste mês de abril. "Vamos romper cercas, ocupar propriedades e montar acampamentos na área rural e fazer caminhadas e ocupar prédios públicos nas áreas urbanas", antecipou.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMST invade fazenda símbolo da elite cafeeira de MG

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMST quer intensificar 'abril vermelho' em ano eleitoral

 

Ele calcula que a maioria dos 30 mil assentados e acampados em todo o Estado - números do MST - irá se engajar nas atividades. No ano passado elas se limitaram, segundo Amorim, a 17 ocupações de terra. Ele não citou os municípios nem os prédios que serão alvo da jornada.

 

Pelo menos três fortes razões levam à estratégia da radicalização, de acordo com Amorim: o fato de o governo não ter realizado nenhuma desapropriação de terra ou assentamento de famílias em Pernambuco em 2009; por 2010 ser ano eleitoral - "no segundo semestre os órgãos governamentais ficam inoperantes, só se pensa na eleição" - e o fim do "efeito desmobilizador" provocado inicialmente por benefícios sociais como o Bolsa Família.

 

"Não são R$ 90,00 por mês que vão sustentar uma família sem um pedaço de terra para produzir", observou ele. "O Bolsa Família teve o efeito de retardar a ação dos trabalhadores como uma represa que agora deve transbordar".

 

Na sua avaliação, por maiores que sejam as dificuldades enfrentadas pelos 250 assentamentos pernambucanos - com 14 mil famílias - seus integrantes gozam de uma situação muito melhor que os acampados. "Os assentados têm as mínimas condições para sobreviver", diz, ao concluir que esta é meta dos 16 mil acampados em terras pernambucanas.

 

Ao justificar porque as atividades serão concentradas somente em abril, sem se estender pelo resto do ano, Jaime Amorim explicou que a decisão não visa a "atrapalhar ou deixar de atrapalhar qualquer candidato presidencial". Ele lembrou que o Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) deverá ter mais de 10 superintendentes deixando a função para se candidatar a algum cargo eletivo.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTPernambucoAbril Vermelho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.