MST ocupa sedes do Incra no Recife e em Petrolina

Acampados e assentados ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam hoje as sedes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no Recife e em Petrolina, no sertão do São Francisco, para denunciar a "inoperância" do órgão e cobrar a realização de reforma agrária em Pernambuco. As ocupações também marcam o Dia do Trabalhador Rural, comemorado ontem.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

26 Julho 2010 | 12h33

"Viemos por tempo indeterminado", afirmou Cristiane Cavalcanti, da coordenação regional do MST e uma das responsáveis pela ação no Recife. Segundo ela, Pernambuco tem 13 mil famílias assentadas e 14 mil acampadas. Cristiane destacou que durante ocupação do Incra há três meses, dentro da jornada de lutas do chamado "abril vermelho", foi negociada uma pauta ainda não cumprida.

"Continuamos sem assistência técnica e acesso a crédito nos assentamentos, não conseguimos efetivar convênios com o Pronera (Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária), nenhuma área foi desapropriada para reforma agrária", afirmou ela, que calcula que até o final do dia cerca de 700 pessoas estarão acampadas na sede do Incra na capital pernambucana. A expectativa é de participação de outros 500 trabalhadores na sede de Petrolina.

Mais conteúdo sobre:
terra sem-terra MST Incra PE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.