MST ocupa mais seis fazendas em PE

O MST promoveu mais seis ocupações de terra neste final de semana em várias regiões de Pernambuco. Foram nove invasões em quatro dias envolvendo mais de 2 mil trabalhadores sem-terra, e a expectativa é que novas ocupações ocorram até meados de abril dentro das atividades que marcam o Dia Internacional de Luta pela Reforma Agrária, em homenagem aos mortos do massacre de Carajás."As ocupações fazem parte da nossa incessante luta contra o latifúndio e pela reforma agrária", afirmou em nota distribuída à imprensa o líder regional e integrante da direção nacional do movimento, Jaime Amorim. "O latifúndio é um mal que deve ser eliminado da história do nosso País". As ocupações, de acordo com a nota, também têm a finalidade de "garantir um processo de negociação permanente com o Incra" e cobrar mais agilidade e rapidez no processo de desapropriação dos "latifúndios improdutivos que não cumprem sua função social".Foram ocupadas as fazendas Tapera, em Petrolina, e Cajueiro, em Santa Maria da Boa Vista (sertão); Brejão, em Sairé, e São Joaquim em Canhotinho (agreste); e os engenhos Conceição, em Primavera, e Bananal, em Jaqueira, (zona da mata).A assessora de imprensa do MST-PE, Dirce Salete, lembrou que as ocupações também ocorrem devido às chuvas que têm se registrado no sertão e no agreste. "Os trabalhadores ocupam para plantar milho e feijão", disse ela. Dentro das atividades programadas para este mês, a nota destaca como uma das ações mais importantes a marcha que se realizará de 13 a 16, saindo de Escada, na zona da mata sul, até o Recife, num percurso de 55 quilômetros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.