MST nega envolvimento com PCC e rejeita violência

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) divulgou nota nesta terça-feira negando qualquer envolvimento com o Primeiro Comando da Capital (PCC). A nota foi uma reação à informação de que o movimento teria ajudado o PCC a realizar um protesto em 2005. O MST se declara um movimento social pacífico e diz reprovar atos que atentem contra vida.Veja a íntegra da nota: "O MST afirma com veemência que não tem qualquer espécie de envolvimento com o PCC e condena com firmeza a violência nas cidades e no meio rural. Somos um movimento social pacífico e não autorizamos a conexão indevida do nosso nome com grupos do crime organizado. Isso apenas contribui para a tentativa de criminalização da luta pela reforma agrária no Brasil. Defendemos e lutamos pelos direitos humanos e reprovamos atos que atentem contra a vida. O cenário de violência e caos que tomou conta da população tem como raízes a falência de uma política de segurança pública, a política econômica que impede os investimentos públicos e a omissão histórica na realização da reforma agrária. A sociedade precisa exigir do Estado brasileiro o cumprimento da Constituição Federal, que prevê a promoção do bem estar social, com trabalho, saúde, educação, reforma agrária e segurança."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.