MST mantém secretário de Agricultura como refém em AL

O secretário estadual de Agricultura de Alagoas, Reinaldo Falcão, é mantido como refém por cerca de cem trabalhadores rurais ligados ao Movimento dos Sem-Terra (MST), em um trecho da rodovia AL-220, entre os municípios de Olho D´Água do Casado e Delmiro Gouveia, no Sertão alagoano, a 280 quilômetros de Maceió. Segundo o secretário, os sem-terra estão armados de foices e pedaços de paus. "Eles reivindicam a presença de um representante do Incra, para agilizar as desapropriações de terras e pedem também que seja garantida a infraestrutura para os assentamentos da região, como abastecimento de água e eletricidade", afirmou Falcão, por telefone. O secretário disse ainda que os sem-terra bloquearam a rodovia na noite de segunda-feira e reivindicaram a presença dele no local. "Quando chegamos para negociar, eles não deixaram a gente sair, por isso estamos sendo mantidos como reféns", explicou Falcão, que está acompanhado de mais cinco pessoas na sua comitiva, entre eles um cubano. A situação do secretário e de sua comitiva já é do conhecimento do secretário de Defesa Social, delegado Robervaldo Davino, e do comandante da Polícia Militar de Alagoas, coronel Edmilson. Integrantes da Comissão de Direitos Humanos da PM estão se dirigindo para o local, onde pretendem negociar com os sem-terra a liberação do secretário e seus assessores. A assessoria de imprensa do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Alagoas informou que o superintendente em exercício, Antônio Carlos Pereira, viajou hoje pela manhã para a região de Delmiro Gouveia, mas não disse se estava indo negociar com os sem-terra, porque o MST não tinha encaminhado ao órgão nenhuma lista de reivindicações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.