MST lidera 1,3 mil famílias nas invasões em Pernambuco

Acampados há quatro anos às margens da BR-101, na entrada da cidade de Escada, na zona da mata, cerca de 1,3mil famílias (estimativa do MST) deixaram o local hoje cedo, se subdividiram e realizaram quatro invasões de terra de formasimultânea: no Engenho Caçuá, da Usina Barão, no Engenho Conceição e no Engenho Alegria, todos em Escada, e no EngenhoBrilhante, no Cabo de Santo Agostinho, município próximo. A ação de retirada do acampamento da beira da rodovia marcou a nova estratégia do MST, de ocupar efetivamente as terrasreivindicadas, desrespeitando a Medida Provisória que impede desapropriação de área ocupada, como forma de lutar pela suarevogação. No acampamento, de acordo com o líder do MST-PE, Jaime Amorim, os trabalhadores ficam a vida inteiradependentes de cesta básica. "O objetivo principal das ocupações é iniciar o processo de produção e exigir vistoria na pressão",disse ele.Até o finaldo mês, o movimento planeja chegar a até 35 invasões. Nos últimos 13 dias, foram feitas 51 ocupações no Estado - 21 daFederação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape), três da Organização da Luta no Campo (OLC) e duas doMovimento Terra, Trabalho e Liberdade (MTL), além das 25 do MST.Jaime Amorim comandou a ação, que utilizou caminhões - cedidos, alugados e um pertencente a uma cooperativa deassentados ligados ao movimento - para transportar os sem-terra. Ele liderou a ocupação do Engenho Alegria, pertencente aoempresário Frederico Bivar. Depois de conseguirem transpor uma estrada de barro de difícil acesso por causa da chuva, ossem-terra derrubaram, a golpes de foices, a porteira da propriedade, e começaram a instalar o acampamento. Na entrada, umaplaca informava "Haras Asa Branca - Fazenda Alegria, criação de cavalos da raça mangalarga machador". Segundo o MST, aárea possui 520 hectares.Amorim contou que o proprietário foi bem cedo ao acampamento dos sem-terra sondar se a sua terra seria invadida, pediu parapreservarem a mata nativa e teria insinuado dizendo que os trabalhadores iriam ter uma surpresa se fossem ocupar a fazenda. Nadaaconteceu, porém. Ninguém esperava os sem-terra na entrada usada para invadir a propriedade. A polícia também não apareceuem nenhum momento. O proprietário, Frederico Bivar, não deu retorno aos recados deixados pelos jornalistas com seus familiares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.