MST invade usina em Minas Gerais; Incra continua ocupado

Um grupo com 60 famílias integrantes do MST invadiu neste domingo a usina Areadinópolis, em Campo do Meio, a 315 quilômetros de Belo Horizonte. Sem resistência, as famílias - a maioria excluída do campo devido à crise do café na região -, exigem a posse do terreno da usina de açúcar. A aérea possui 100 hectares e está arrendada para empresários que estão plantando milho.De acordo com lideranças do MST na região, as famílias, que são das cidades de São Bento Abade, Caxambu e da zona rural de Campo do Meio, se juntaram a outros dois grupos já acampados em outras áreas da propriedade, formados por integrantes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg) e por servidores municipais. O novo acampamento do MST recebeu o nome de "Limeira".Segundo a Polícia Militar, que acompanhou à distância a montagem do acampamento do MST, foi a quinta invasão da propriedade nos últimos cinco anos. Apesar disso, nenhum responsável pela propriedade procurou a polícia para registrar a ocorrência, pois aguardam na Justiça o desfecho do processo de desapropriação que envolve o terreno, desde a desativação da usina beneficiadora de cana-de-açúcar.Em Belo Horizonte, completou hoje três dias a ocupação da sede do Incra por 200 integrantes do Movimento Terra, Trabalho e Liberdade (MTL). Eles prometem intensificar as ações no Estado e dizem que só deixarão o local depois da liberação de créditos para habitação. "A reforma agrária está parada no Brasil por causa da Justiça. Esperamos que este governo não decepcione a massa de trabalhadores rurais que acreditaram nas suas promessas", disse o coordenador do movimento, Elton John Ribeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.