MST/ Facebook
MST/ Facebook

MST invade parque gráfico de 'O Globo'

Manifestantes picharam paredes, vidros e móveis do local; entidades repudiam o ataque; em nota, Grupo Globo diz que invasão 'é um ataque à imprensa livre'

O Estado de S.Paulo

08 Março 2018 | 11h02

Um grupo com cerca de 500 Integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) invadiu o parque gráfico do jornal 'O Globo', em Duque de Caxias, região metropolitana do Rio, na manhã desta quinta-feira, 8. Os manifestantes picharam paredes, vidros e móveis do local.  Eles também tentaram atear fogo em um totem com o nome do jornal, que não chegou a ser danificado. A ação foi gravada e divulgada nas redes sociais do grupo. 

De acordo com o MST, participaram mulheres do Levante Popular da Juventude, do Movimento dos Atingidos por Barragens e do Movimento dos Pequenos Agricultores, além de moradoras de comunidades da cidade. A ação faz parte da Jornada Nacional de Luta das Mulheres Sem Terra, que tem por lema a frase de Rosa Luxemburgo "Quem não se movimenta, não sente as cadeias que a prendem".

Não houve confronto. Meia hora depois da invasão, o grupo deixou o local. 

POSICIONAMENTOS

Em nota, o 'Grupo Globo' repudiou à invasão: "Picharam a portaria, tumultuaram os trabalhos e só não entraram na área de máquinas porque foram contidos. O ataque a um jornal é um ataque à imprensa livre, pilar da democracia. É uma clara tentativa de intimidação, um ato que atropela a legalidade e o estado de direito democrático", diz a nota.

O grupo pede a responsabilização dos envolvidos.

"O 'Grupo Globo' espera a rigorosa apuração das responsabilidades pelas autoridades responsáveis e agradece as notas de solidariedade que entidades da sociedade civil divulgaram também em repúdio ao ataque".

Veja a nota na íntegra:

"O 'Grupo Globo' manifesta firme repúdio ao ataque de um grupo de 300 militantes do MST ao Parque Gráfico do jornal 'O Globo' esta manhã. 

Picharam a portaria, tumultuaram os trabalhos e só não entraram na área de máquinas porque foram contidos. O ataque a um jornal é um ataque à imprensa livre, pilar da democracia. É uma clara tentativa de intimidação, um ato que atropela a legalidade e o estado de direito democrático. 

O 'Grupo Globo' espera a rigorosa apuração das responsabilidades pelas autoridades responsáveis e agradece as notas de solidariedade que entidades da sociedade civil divulgaram também em repúdio ao ataque. 

Nada impedirá que a imprensa profissional e independente continue a cumprir o seu papel de informar a sociedade."

Em nota conjunta, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) , a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e Associação Nacional de Jornais (ANJ) também repudiam com veemência a invasão promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ao parque gráfico do jornal O Globo, na manhã desta quinta-feira, no Rio de Janeiro.

“É inadmissível que um grupo, que se diz defensor de causas sociais, ameace e ataque profissionais e meios de comunicação que cumprem a missão de informar a sociedade sobre assuntos de interesse público. Atos criminosos como este são próprios de grupos extremistas, incapazes de  conviver em ambiente democrático, e não pautarão os veículos de comunicação brasileiros”, diz o comunicado “A ABERT, a ANJ e a ANER condenam o ataque e pedem às autoridades uma rigorosa apuração do fato, com a punição dos responsáveis, para que vandalismos como este não voltem a se repetir”.

Veja a nota na íntegra:

“A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudiam com veemência a invasão promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MTST) ao parque gráfico do jornal O Globo, na manhã desta quinta-feira, no Rio de Janeiro.

Cerca de 400 integrantes do MTST ocuparam o local, levando baderna e vandalismo às instalações. Muitos dos manifestantes, armados com facões, fizeram pichações em vidraças, sofás, paredes e no piso do jornal, além de atearem fogo em pneus.

É inadmissível que um grupo, que se diz defensor de causas sociais, ameace e ataque profissionais e meios de comunicação que cumprem a missão de informar a sociedade sobre assuntos de interesse público.

Atos criminosos como este são próprios de grupos extremistas, incapazes de conviver em ambiente democrático, e não pautarão os veículos de comunicação brasileiros.

A ABERT, a ANJ e a ANER condenam o ataque e pedem às autoridades uma rigorosa apuração do fato, com a punição dos responsáveis, para que vandalismos como este não voltem a se repetir.

Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão, Associação Nacional de Editores de Revistas E Associação Nacional de Jornais”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.