MST invade no Paraná para evitar venda de lotes

Integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) ocuparam nesta terça-feira quatro lotes do Assentamento Santa Tereza, em Cascavel, no oeste do Paraná. Segundo o MST, os assentados tinhamvendido suas parcelas a pessoas estranhas ao movimento. "Eles estavam vendendo asterras para pessoas que não precisavam", afirmou André Luiz de Souza, do MST. "Tinhaaté fazendeiro comprando ou arrendando."Na segunda-feira, uma fazenda emLindoeste, também no oeste, foi invadida.O MST disse que os invasores não pertencem ao movimento. Não houve confronto emnenhum dos casos. Souza afirmou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) tinha sido avisado sobre as vendas de lotes no assentamento, mas estava demorando a tomar uma atitude."Nós colocamos as famílias lá porque o processo estava se espalhando", justificou. Segundo ele, cerca de 100 famílias ocuparam os lotes queestavam à venda. "Foi só como segurança, até que os novos assentados sejam indicados", afirmou.O executor do Incra na região oeste do Paraná, Valdecir Felipetto, iria receber na tardedesta quarta as pessoas que tiveram as terras ocupadas por integrantes do MST. "Vouconversar para saber o que aconteceu", disse.Segundo ele, os lotes podem servendidos, mas o processo precisa do acompanhamento do Incra, caso contrário setorna ilegal. Ele negou que tivesse sido avisado de algum problema. Felipetto disseconhecer apenas um caso de assentado que está rescindindo o contrato.Na segunda-feira, a Fazenda Santa Clara, em Lindoeste, havia sido ocupada por cercade 30 famílias. O MST negou que as pessoas pertençam ao movimento. Segundo ocomandante do 6º Batalhão da Polícia Militar, coronel Amauri Ferreira de Lima, sãomoradores do próprio município que tentam apenas chamar a atenção e pressionar a Prefeitura a encontrar um local de moradia para eles.O proprietário da área, Lino Martini,foi orientado a entrar na Justiça com pedido de reintegração de posse. Sua fazenda, de150 alqueires, já foi vistoriada e considerada produtiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.