MST invade mais três fazendas em São Paulo

O Movimento dos Sem-Terra (MST) deu seqüência nesta sexta-feira, 20, ao "abril vermelho" com a invasão de mais três fazendas no interior de São Paulo. As ações tem por objetivo protestar contra a lentidão na reforma agrária e lembrar o massacre de Eldorado dos Carajás, em 17 de abril de 1996.Em Iaras, no sudoeste do Estado, 120 famílias entraram na fazenda Capivara, de 8 mil hectares. De acordo com o MST, as terras pertencem à União e parte da área estaria sendo explorada irregularmente para o plantio de cana-de-açúcar e de eucaliptos. O processo de arrecadação está na Justiça desde 1998. Os sem-terra montaram acampamento próximo de um eucaliptal. Policiais militares foram até o local e constataram a invasão. Já em Getulina, região de Bauru, as 300 famílias que tinham invadido a fazenda Volta Grande, no início da semana, saíram da área e acamparam na fazenda Jucama, no mesmo município. Arrendatários teriam ameaçado reagir à invasão, mas a PM não registrou incidentes. Outro grupo mantinha a invasão na sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de Promissão. Na região de Andradina, extremo noroeste do Estado, cerca de 70 integrantes do movimento invadiram a fazenda Lagoão, no município de Itapira. O grupo estava acampado havia quase três anos na frente da propriedade. De acordo com o MST, a Justiça tinha dado a posse da fazenda para a reforma agrária, mas depois revogou a decisão. Desde o início do mês, na chamada jornada nacional de lutas, o MST invadiu 21 fazendas em São Paulo. Foram ocupados seis prédios públicos e realizadas três marchas. O movimento fez ainda três bloqueios em rodovias. Nesta sexta-feira, a Polícia Militar começou a identificar os 300 sem-terra que, desde a última segunda-feira, ocupam a fazenda São Luiz, em Presidente Bernardes, no Pontal do Paranapanema. A determinação partiu do juiz Luciano Brunetto Beltran, que deu liminar na ação de reintegração de posse movida pelo dono das terras, Carlos Frederico Machado Dias. A PM mobilizou homens e viaturas para dar cobertura a um oficial de justiça que entregou o teor da decisão aos líderes do movimento. Houve negociação para que a desocupação da fazenda seja feita, sem uso de força policial, até segunda-feira. Também serão desocupadas, durante o final de semana, as fazendas Boi Gordo e Sapetuva, em Itapetininga, região de Sorocaba, invadidas por 180 integrantes do MST na última terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.