MST invade mais duas fazendas de Jader

Cerca de duas mil pessoas ligadas ao MST invadiram e ocupam, desde o começo da tarde, as fazendas Chão Preto e Paraíso do Norte, pertencentes ao presidente do Senado, Jader Barbalho. As áreas ficam em Aurora do Pará, na região leste do Estado. Agora, são três as fazendas de Jader invadidas, pois outra área, a Chão de Estrelas, contígua às outras duas, foi ocupada no começo desta semana. O advogado Edílson Dantas, defensor de Jader, pediu a intervenção federal no Pará e o envio de tropas do Exército para retirar os invasores. Alegando que a Polícia Militar vem relutando, há 47 dias, a dar cumprimento a uma liminar de manutenção de posse em favor de Jader, o advogado também pediu à juíza da comarca, Andréa Miralha, a "prisão administrativa" do comandante-geral da PM, coronel Mauro Calandrine. "Ele desobedeceu a uma ordem da Justiça", disse Dantas. "A segurança pública em todo o Pará não permite mais que o cidadão sinta-se protegido pelas autoridades competentes, que têm sido permanentemente omissas no cumprimento de seu dever", afirmou Dantas . Ele contou que Jader foi imediatamente informado da invasão de suas três fazendas e ficou "indignado". Em nota, a direção estadual do MST prometeu resistir à qualquer desocupação à força das fazendas do senador, justificando que Jader "grilou" as propriedades, que pertenceriam ao Estado e à União. "Examinando documentos das fazendas Chão Preto e Chão de Estrelas, observamos que a origem da propriedade das duas áreas foram dois títulos definitivos expedidos pelo Estado do Pará em 1961, cada título com metragem de 4.400 hectares. Acontece que, à época, em 1961, estava em vigor a lei estadual número 762, de 10 de março de 1954, a qual, em seu artigo 10, proibia a alienação de terras devolutas com extensão superior a 100 hectares", afirma o MST.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.