MST invade Incra em Campo Grande

Mais de 800 homens, mulheres e crianças ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) invadiram hoje às 6h o prédio do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), no centro desta capital.Gritando em coro "Mataram o Che Guevara, mas ficou o fruto. O MST cresce a cada minuto", os manifestantes expulsaram duas guarnições da Polícia Militar que montava guarda na porta do prédio desde ontem, quando tentaraminvadir o local, mas acabaram desistindo devido as constante chuvas. Um dos policiais tentou sacar a arma, e teve como resposta imediata os braços abertos de dezenas de sem-terra, e novos gritos de frases de feito: "na terra onde o boi berra, o povo quer terra. Na terra onde boi come os sem-terra morrem de fome". Por ordens do secretário estadual de Segurança Pública, Almir Paixão, os policiais deixaram o lugar da invasão. Segundo as lideranças dos sem-terra, são famílias procedentes de onze acampamentos situados nas regiões sul e leste de Mato Grosso do Sul, que pelo menos há cinco anos aguardam assentamentos do Incra. Eles querem aumento no crédito para os assentados de R$ 13 mil para R$ 20 mil, abertura de novas estradas dentro dos assentamentos e vistorias em 41 fazendas apontadas pelo MST comoimprodutivas, portanto que podem ser integrada no Programa Nacional de Reforma Agrária.Segundo o superintendente regional do Incra, Celso Cestari Pinheiro, as reivindicações estão sendo atendidas, e não há a menor necessidade de atos violentos. "Nós vistoriamos durante o mês passado e início deste mês, um total de 67 fazendas no Mato Grosso do Sul. Constatamos nessas vitorias, que 16 fazendas serão desapropriadas e transformadas em novos assentamentos ainda este ano. Quanto a novas estradas, estamos abrindo 203 quilômetros de vias de escoamento de produção dentro de 18 assentamentos. Pois é, estamos trabalhando", destacou.Os invasores resolveram deixar o prédio do Incra logo depois de 14h, quando iniciaram as negociações, entre o MST, Incra e Ouvidoria Agrária do Estado.BloqueioSem-terra assistidos pela Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura), bloquearam durante toda a manhã de hoje, um trecho da BR-163, enfrente da Fazenda Teijin, com 28.147 hectares, desapropriada pelo Incra. Situado no distrito de Casa Verde, município de Nova Andradina, na região leste do MS, o imóvel estava com pendência judicial até sexta-feira passada, quando a Justiça Federal concedeu emissão de posse ao Incra. Na área serão assentadas 700 famílias, porém os sem-terra da Contag querem a área somente para eles, e não também para os sem-terra do MST que está com 300 famílias acampadas na porta da Teijin. Como protesto pela presença do MST, sem-terra da Contag bloquearam a rodovia por seis horasconsecutivas, causando congestionamento de dez quilômetros de cada lado. Por volta de 14h liberaram o tráfego, prometendo reiniciar o bloqueio amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.