MST invade fazendas de Jader

As fazendas Chão Preto e Chão de Estrelas, de 16 mil hectares, localizadas no município de Aurora do Pará, 220 km de Belém, e pertencentes ao presidente do Senado, Jader Barbalho, (PMDB), foram invadidas na noite desta terça-feira por cerca de 500 lavradores ligados ao MST. Segundo os coordenadores do MST Raimundo Nonato Coelho de Souza e Luiz Gonzaga Silva as duas fazendas foram "griladas do Estado" e deveriam ser desapropriadas pelo programa de reforma agrária do governo federal.A invasão ocorreu pelos fundos da fazenda Chão de Estrelas, que é contígua à Chão Preto. As famílias entraram por três atalhos diferentes e acamparam nos fundos das duas áreas. A Polícia Militar de Paragominas, que havia acompanhado durante todo o dia a movimentação dos sem-terra no km 75 de Aurora do Pará, não estava no local no momento da invasão. O MST garantiu que ninguém irá deixar as fazendas de Jader enquanto a direção do Incra em Belém não conversar com as lideranças do movimento. "Queremos ver a documentação e os laudos do Incra, porque na Belém-Brasília as terras são posse e não domínio", afirmou Souza.O senador Jader Barbalho disse à Agência Estado que o advogado Edílson Dantas deve ingressar nesta quarta-feira pela manhã na Justiça do Pará com uma liminar de manutenção de posse. O senador já havia obtido um interdito proibitório, para tentar impedir a invasão, mas não obteve sucesso. "A área é produtiva e nós podemos provar com laudos de vistoria do Incra", disse o senador.Para ele, a invasão é "política" e tem a finalidade de atrair a "atenção da mídia". Jader contou haver determinado aos empregados e administradores das fazendas que mantenham a calma e não revidem a qualquer provocação. "Eles podem fazer a violência que quiserem que não vamos reagir". O presidente do Senado resumiu a situação com a seguinte frase: " se invadiram até a fazenda do presidente da República, por que não iriam invadir a minha?".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.