MST invade fazenda no sul de Mato Grosso

Cerca de 300 famílias ligadas ao Movimento dos Sem-Terra (MST) invadiram neste fim de semana a Fazenda São Francisco, em Rondonópolis, sul de Mato Grosso. Os sem-terra prometem manter a ocupação por tempo indeterminado. A área, de aproximadamente mil hectares, pertenceria à União, segundo Juarez de Jesus, um dos coordenadores estaduais do movimento. De acordo o líder do MST, a fazenda "improdutiva" estaria em nome de ruralistas. "Nós precisamos reagir à ação dos fazendeiros que estão armados para conter as invasões", disse Juarez de Jesus. O delegado Valdomiro Pereira, de Rondonópolis, disse que vai abrir inquérito nesta segunda-feira para punir os responsáveis pela invasão. "Vamos verificar como está a situação, mas é só a Justiça pode determinar a desocupação da área", informou.O governador Blairo Maggi (PPS), reiterou que não tolerará abusos de sem-terra e fazendeiros armados para reprimir as invasões de fazendas, saques e interdição de rodovias no Estado. Maggi criou um grupo de trabalho no Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat) para negociar as ocupações de terras com ruralistas e trabalhadores a fim de conter a tensão no campo. "Não vou tolerar a formação de milícias armadas", disse Maggi. "Irei cumprir o que determina a Constituição Federal". Maggi informou que de janeiro para cá, foram expedidos 17 mandados de reintegração de posse de terra, dos quais 10 já foram cumpridos. Outros 68 mandados judiciais foram remetidos pela Justiça à Secretaria de Segurança Pública para reintegração de posse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.