MST invade área do Ministério da Agricultura no RS

Um centro de pesquisas do Ministério da Agricultura em Sarandi, no Norte do Rio Grande do Sul, foi invadido nesta quarta por cerca de 450 famílias do MST. A área, de 190 hectares, é utilizada para pesquisas de controle da febre aftosa.O delegado do Ministério no Estado, Francisco Signor, reagiu indignado à movimentação dos sem-terra. "Não podia haver local mais sensível que aquele. Diria até que, pela importância para a defesa sanitária do Brasil, trata-se de um assunto de segurança nacional", afirmou.A área foi ocupada pela manhã. Os agricultores se deslocaram de três acampamentos localizados na região, às margens da BR 386. Segundo Signor, não houve prejuízo às atividades do centro de pesquisa, que abriga dez técnicos em defesa sanitária.Um dos coordenadores do MST no Rio Grande do Sul, Miguel Stédile, disse que o interesse do movimento não é pela área do Ministério. "É uma forma de pressionar o Incra para agilizar a reforma agrária", justificou.Segundo ele, não houve assentamentos este ano no Estado. E, em 2003, foram beneficiadas apenas 52 famílias em áreas desapropriadas no governo anterior. "Quem dita o ritmo das ocupações é o Incra", ironizou Stédile.No início da tarde, a delegacia regional do Incra em Porto Alegre encaminhou à Justiça pedido de reintegração de posse da área invadida pelo MST. À noite, a Justiça Federal decidiu que os militantes do MST desocupem a área até as 08h desta quinta. Caso não saiam, a mesma decisão autoriza a desocupação compulsória da área por meio de força policial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.