MST invade afiliada da TV Globo em Goiânia

Os manifestantes, em sua maioria, estavam com o rosto coberto; as paredes da empresa foram pichadas com frases como “Não vai ter golpe”, “Fora Globo” e “Globo e ditadura de mãos dadas – Fora”

O Estado de S.Paulo

09 de março de 2016 | 09h54

Integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST) invadiram, na noite desta terça-feira, 8, a sede do Grupo Jaime Câmara, em Goiânia, que abriga veículos como TV Anhanguera – afiliada da Rede Globo –, jornais O Popular e Jornal Daqui e rádio CBN. Segundo informações do site de O Popular, o grupo era formado por cerca de 70 pessoas.

Os manifestantes, em sua maioria, estavam com o rosto coberto. As paredes da empresa foram pichadas com frases como “Não vai ter golpe”, “Fora Globo” e “Globo e ditadura de mãos dadas – Fora”.

Um vídeo feito durante a ocupação e publicado na página do jornal mostrava o grupo gritando a frase “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”.

Não foram registrados confrontos, de acordo com O Popular. O jornal noticiou que, após o protesto, o grupo deixou a emissora escoltado pela Polícia Militar, que apenas acompanhou a manifestação.

O Estado não conseguiu contato na noite de ontem com representantes do MST.

Conforme nota divulgada por sua assessoria de imprensa, o líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), manifestou repúdio ao episódio em discurso no plenário. O senador atribuiu o protesto ao que chamou de “apelo” do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Estamos assistindo a esse crime sendo cometido por pessoas que se julgam acima da lei e que respondem ao apelo do chefe maior. Atacam a imprensa livre e afrontam a democracia. O MST se configura aqui como o verdadeiro exército de Lula que foi provocado a ir às ruas para agir como agem os coletivos bolivarianos na Venezuela”, afirmou Caiado.

O senador do DEM, conforme sua assessoria, demonstrou preocupação com o clima de instabilidade. “Se não agirmos com energia, qual a mensagem que estaremos mandando? Qual a garantia que estaremos dando às empresas do Brasil?”, disse.

“Se trata de uma organização fundada por um ex-jornalista e ex-parlamentar (Jaime Câmara) que sempre teve postura imparcial e transparência. Essa agressão é uma agressão a toda a imprensa”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.