MST invade 10 fazendas em Alagoas

Duas fazendas foram invadidas na madrugada de hoje por famílias de trabalhadores rurais sem-terra, em Alagoas. Com isso, sobe para 10 o número de fazendas ocupadas pelo MST, de terça-feira para cá, no Estado. Cerca de três mil famílias participam dessas invasões. As ocupações começaram na terça-feira, quando oito fazendas foram invadidas, surpreendendo a direção do Incra. Segundo a assessoria do MST, o clima é tenso na fazenda Xingozinho, em Delmiro Gouveia, onde pistoleiros armados circulam a área invadida. Nas demais fazendas, não há registro de conflito. A coordenação do MST confirmou que essas ações fazem parte do movimento nacional pela reforma agrária, desencadeado esta semana em vários Estados. O MST de Alagoas alega que as áreas são improdutivas, mas o Incra só tem registro de vistoria da Meirim, que fica em Joaquim Gomes. Segundo o Incra, essa fazenda foi vistoriada há três anos e considerada produtiva. O superintendente do Incra em Alagoas, José Quixabeira, disse que a ação do MST é política e vai atrasar o processo de desapropriação dessas áreas, porque a legislação proíbe por dois anos a vistoria em áreas invadidas. Quixabeira disse ainda que, de 1999 para cá, o Incra de Alagoas já distribuiu R$ 17 milhões com os 52 assentamentos espalhados pelo Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.