MST fecha rodovias em 10 Estados e protesta em Brasília

Atos marcaram 17 anos do massacre de Eldorado dos Carajás e cobraram assentamentos

José Maria Tomazela, de O Estado de S. Paulo,

17 Abril 2013 | 22h23

SOROCABA - O Movimento dos Sem Terra (MST) bloqueou nesta quarta-feira, 17, dezenas de rodovias em dez Estados brasileiros como parte das manifestações do “Abril Vermelho”. Além de cobrar a aceleração da reforma agrária e o assentamento de 150 mil acampados em todo o País, os atos marcaram os 17 anos do confronto entre sem terra e a Polícia Militar do Pará em Eldorado dos Carajás, que terminou com a morte de 21 pessoas.

No interior de São Paulo, foram bloqueados trechos da via Anhanguera, perto de Ribeirão Preto, e da Raposo Tavares, em Itapetininga. Nos dois casos, a ação durou cerca de 20 minutos e provocou congestionamentos. Uma fazenda foi invadida em Agudos.

Um balanço divulgado pela assessoria do MST, que incluiu invasões de outros dias, menciona operações em 17 Estados. Segundo esse relato, os sem terra “trancaram 60 rodovias, realizaram ocupações de terras, prédios públicos, prefeituras, marchas e atos políticos e doações de alimentos por todo o País”. Em um dos locais simbólicos do protesto, Eldorado dos Carajás (PA), cerca de dois mil militantes interditaram a rodovia PA-150, na altura da curva do S. No Paraná, foram fechados trechos de estradas estaduais e federais em 20 cidades. Além disso, houve um ato de protesto diante do Tribunal de Justiça, em Curitiba.

Em Pernambuco foram fechadas 12 rodovias e o MST ocupou as prefeituras de Goiana, na região norte, e de Moreno, região metropolitana do Recife. Quatro estradas federais - BR-060, BR-183, BR-167 e BR-267 - e três estaduais também foram parcialmente paralisadas em Mato Grosso do Sul. Em Minas Gerais, a ação principal atingiu o Anel Rodoviário de Belo Horizonte. Em Mato Grosso, duas rodovias tiveram trânsito interrompido em Dom Aquino e Cáceres. Também foram bloqueados cinco trechos da BR-463, em Rondônia, e mais duas rodovias no interior de Maranhão. Houve ainda bloqueios em Sergipe e no Piauí. Em Fortaleza (CE), foi ocupada a sede do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS). Em Goiânia, o mesmo ocorreu com a sede do Incra.

Esplanada. Em Brasília, cerca de 500 manifestantes marcharam pela Esplanada dos Ministérios em direção ao Supremo Tribunal Federal. Fizeram também protestos em frente ao Congresso Nacional e ao Ministério da Justiça.

Nas contas do movimento, há no País 523 processos judiciais envolvendo reforma agrária.

Pela parte da manhã, ocorreu uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal sobre a impunidade e violência no campo, em que também foi feita uma homenagem aos mortos no Massacre de Eldorado dos Carajás.

Às 11h, o MST e servidores do Ministério do Desenvolvimento Agrário e do Incra promoveram a doação de duas toneladas de alimentos sem agrotóxicos para a população de Brasília, na Rodoviária do Plano Piloto.

Entre os produtos a serem distribuídos estavam mandioca, batata doce, quiabo, feijão de corda, abóbora, abobrinha verde, todos provenientes dos assentamentos e acampamentos do Distrito Federal e entorno.

Mais conteúdo sobre:
MST

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.