MST fecha entrada de fazenda da Embrapa

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST)ocuparam nesta terça-feira a estrada que dá acesso à sede da Fazenda Modelo em Ponta Grossa, a 120 quilômetros de Curitiba, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), onde são feitas pesquisas de melhoramento de culturas, e impediram que os funcionários entrassem para trabalhar. Segundo o MST, são cerca de 180 famílias.Barracas foram montadas na entrada da propriedade. Os sem-terra dizem que somente liberam a passagem se houver a marcação de uma audiência com o presidente da instituição para discutir a cessão de parte das terras para um assentamento.A área, de cerca de 2 mil hectares, tem grande parte cedida em comodato ao Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). Um grupo de sem-terra invadiu, em 2002, pouco mais de 633 hectares nesse local, com a concordância do instituto paranaense. Ali montaram o acampamento Emiliano Zapata. O governo do Paraná e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) já tinham acertado a compra da área, onde se pretende montar um assentamento que sirva de modelo para a reforma agrária no País. A compra chegou a ser anunciada em setembro do ano passado, por cerca de R$ 5,4 milhões, mas faltaram alguns documentos da Embrapa para a concretização.DiálogoOs sem-terra querem também que sejam esclarecidas as situações de outras áreas contíguas à da Embrapa. Eles acreditam que podem ser da empresa e teriam sido apropriadas indevidamente por aqueles que se dizem proprietários. De acordo com o chefe da assessoria jurídica da Embrapa, Antonio Nilson Rocha, o fato de a área ter sido incorporada ao patrimônio no início da década de 70 não observou a legislação atual, que exige a delimitação da propriedade. Isso está sendo feito agora, com vistas à venda ao Incra. Rocha disse que a empresa ajuizou pedido de reintegração de posse, mas tem interesse em resolver a questão no diálogo. Por isso deve mandar um representante para uma conversa quinta-feira no Incra, em Curitiba. Rocha afirmou que, a partir do levantamento, se a Embrapa descobrir que há pessoas ocupando ilegalmente as terras da empresa, vai pedir a reintegração.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.