MST faz sua segunda maior ocupação em Pernambuco

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) promoveu hoje sua segunda maior ocupação deste ano, reunindo cerca de 500 famílias, na Fazenda Riachão de Dentro, em Lagoa dos Gatos, na zona da mata sul. Já a Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape) teve como alvo a Fazenda Província, em Inajá, no sertão, maior área ocupada neste ano, com 6,4 mil hectares. Embora chame de ocupação, a Fetape preferiu não invadir a fazenda reivindicada. As famílias acamparam ao lado da terra. "Atuamos com responsabilidade", explicou o diretor de política agrária da federação, Doriel Saturnino de Barros. "Lutamos contra a Medida Provisória que impede vistoria em área ocupada, mas não podemos fazer de conta que ela não existe". Segundo ele, a Fetape faz as ocupações com o número de famílias adequado ao tamanho da terra e sem desobedecer a MP. "Senão vamos criar expectativas que não vão se concretizar, frustrando os trabalhadores". As 27 ocupações realizadas neste ano pela Fetape seguiram esse padrão. Barros disse ter pedido agilidade ao Incra de Petrolina, no sertão, na vistoria e desapropriação da fazenda Província, porque ela se adapta a um projeto piloto de caprinocultura que a federação pensa em desenvolver com os trabalhadores. A meta da Fetape é ter acampamentos em todos os 184 municípios do Estado. Por enquanto, eles estão presentes em 112. Já o MST acampou no início da manhã às margens da fazenda Riachão de Dentro, mas à tarde os trabalhadores começaram a entrar na área, de acordo com a assessoria de imprensa do movimento. A assessoria informou que esta ocupação só perde em número de famílias para a ocupação da fazenda São Joaquim, município de Jurema, no agreste, que mobilizou 600 famílias, em março. Com esta, somam 26 as ocupações promovidas pelo MST neste ano. A liderança continua com a Organização de Luta no Campo (OLC) que fez 59. Juntos, os três movimentos - OLC, Fetape e MST - patrocinaram 112 ocupações de terra em todo o Estado desde janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.