MST faz protestos em Cuiabá

Três mil pessoas, segundo avaliação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) - ou duas mil, de acordo com a Polícia Militar -, participaram hoje em Cuiabá de atos públicos e manifestações para lembrar o massacre de Eldorado dos Carajás, ocorrido há cinco anos. Carregando cruzes pretas com inscrições dos nomes dos 19 sem-terra mortos no Pará, em 1996, os integrantes do movimento percorreram as ruas centrais da cidade. Eles fizeram paradas em frente aos prédios da Câmara Municipal, Justiça Federal e no Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), para pedir a punição dos envolvidos em assassinatos no campo, inclusive dos responsáveis pelo massacre de Eldorado do Carajás.Um grupo de manifestantes saiu às 7 horas do acampamento erguido em frente ao Incra em direção à Praça Alencastros, no centro de Cuiabá. Lá, juntaram-se a outros grupos que vieram das cidades de Tangará da Serra e Rondonópolis, além de 28 assentamentos dos sem-terra em Mato Grosso. Segundo José da Silva, um dos coordenadores estaduais do MST, a partir de amanhã os sem-terra pretendem negociar uma pauta de reivindicação com destaque para a agilização nas desapropriações de terras já vistoriadas. Os sem-terra ficam em Cuiabá por tempo indeterminado, segundo a direção estadual do MST.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.