Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

MST faz marchas pelo Brasil e invade terras contra impeachment de Dilma

Atos em seis Estados fazem parte de agenda manifestações contrárias ao afastamento da presidente, que terá seu ponto alto no feriado de 1º de maio

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2016 | 16h31

SOROCABA - Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) realizam marchas, nesta terça-feira, 26, em seis Estados para cumprir uma agenda de manifestações contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), que terá seu ponto alto no feriado de 1º de maio. Também estão previstos bloqueios de rodovias e invasões de terras. Durante a madrugada, cerca de 300 integrantes invadiram uma fazenda de 600 hectares em Eldorado do Sul, região da Grande Porto Alegre (RS).

Lideranças alegam que a mobilização faz parte da jornada de lutas do movimento pela reforma agrária e em defesa da democracia. Uma das marchas chegou a Belo Horizonte, na manhã desta terça-feira, procedente de Ouro Preto. Na capital mineira, foi realizado um ato no morro de Vera Cruz. À tarde, o grupo se deslocou para a Praça da Liberdade, na região central. Uma coluna de camponeses chegou também a João Pessoa, capital da Paraíba. Manifestantes estão acampados em Natal (RN), após terem ocupado a superintendência regional do Incra, na segunda-feira, 25.

Outro grupo de militantes do MST sege de União dos Palmares (AL) em direção à capital Maceió, onde devem chegar na quinta-feira, 28. Manifestantes acamparam na zona universitária de Cuiabá, após marcha de 40 km. Em Pernambuco, militantes acampados em Petrolina e Recife fizeram bloqueios em rodovias da região e na BR-232, em Caruaru.

Na capital baiana, Salvador, os sem-terra estão acampados há dez dias no Farol da Barra. Em São Paulo, o MST organiza excursões de militantes à capital paulista, onde está prevista manifestação, dia 1º de maio, no Vale do Anhangabaú, com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.