MST faz manifestação em apoio a Chávez

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Distrito Federal e do Entorno estão fazendo uma manifestação em Brasília, hoje e amanhã, em apoio ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Um plebiscito no próximo domingo vai decidir se Chávez permanecerá ou não com mandato. Cerca de 100 pessoas estão concentradas em frente ao Ministério de Minas e Energia, para pedir também ao governo que seja adiada a 6ª rodada de licitação de áreas para a exploração de petróleo. Os manifestantes encaminharam à ministra, Dilma Rousseff, um manifesto que pede que a data do leilão seja adiada e que seja feito um plebiscito para saber se a população quer que empresas multinacionais explorem petróleo no Brasil. O coordenador nacional do MST, João Paulo Rodrigues, disse que se a licitação não for adiada, integrantes do movimento vão se concentrar no Rio de Janeiro para "infernizar" o leilão de licitação dessas áreas. Segundo o MST, com essas licitações o Brasil corre o risco de esgotamento precoce de suas reservas. No manifesto, o MST afirma que o Brasil não dispõe de um planejamento energético de caráter estratégico. Depois da manifestação no Ministério de Minas e Energia os integrantes do MST seguem em marcha para a Embaixada dos Estados Unidos em Brasília. Às 17 horas eles pretendem realizar um ato para pedir aos americanos que não interfiram no plebiscito da Venezuela. "Pretendemos levar nossa solidariedade ao povo venezuelano. Entendemos que Chávez foi eleito democraticamente e deve terminar o seu mandato em 2007", disse Rodrigues, para quem o plebiscito "foi armado pela elite golpista da Venezuela, com o apoio dos Estados Unidos".Os integrantes do MST pretendem fazer uma vigília em frente a embaixada americana durante toda a noite de hoje e, amanhã às 10 horas, seguirão em marcha para a embaixada da Venezuela onde deverão ser recebidos pelo embaixador daquele País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.