MST faz ato público em Alagoas e é recebido pelo governador

Cerca de dois mil trabalhadores rurais, ligados ao Movimento dos Sem-terra (MST) e à Comissção Pastoral da Terra (CPT) realizaram nesta quinta-feira pela manhã um ato público em memória de 19 agricultores mortos há sete anos, em Eldorado dos Carajás, no Pará.A manifestação começou com a missa campal na Praça Afrânio Jorge, onde os sem-terra estão acampados desde quarta-feira, quando chegaram a Maceió depois de uma marcha de mais de 70 quilômetros, da cidade de Murici até a capital.À tarde, os sem-terra foram recebidos pelo governador Ronaldo Lessa. Na chegada ao Palácio Floriano Peixoto, sede do governo, houve um princípio de tumulto, quando a cavalaria da Polícia Militar avançou sobre os manifestantes. O incidente foi controlado e ninguém saiu ferido.No salão de despachos do Palácio, o governador recebeu uma comissão com 30 integrantes dos dois movimentos. As lideranças dos sem-terra entregaram ao governador uma lista com 18 reivindicações, entre elas a instalação do Programa Saúde da Família, construção de escolas, postos de saúde, redes de energia elétrica e outras obras de infra-estrutura para os 65 assentamentos dos dois movimentos do interior do Estado.

Agencia Estado,

17 de abril de 2003 | 18h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.