MST faz acordo com Incra e inicia desocupação de fazenda

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) aceitou a promessa do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), de liberar R$ 50 milhões para a aquisição de terras nos próximos 60 dias, e começou a retirar os invasores da Fazenda Guerra, em Coqueiros do Sul, no noroeste do Rio Grande do Sul. ?Vamos dar um crédito para o governo?, anunciou um dos líderes do MST no Estado, Mário Lill. Nos próximos 30 dias, os sem-terra não vão promover novas manifestações ou invasões no Estado. Mas deixam uma advertência. ?Se até lá não houver nenhum assentamento voltaremos à greve de fome e às ocupações?, afirma Lill. O acordo foi fechado no início da madrugada desta quinta-feira, no fórum de Carazinho, poucas horas antes do prazo dado pelo juiz Alexandre Kreutz para a desocupação da fazenda invadida dia 2 de abril. Em vez de resistir ao avanço dos 400 soldados que a Brigada Militar já havia deslocado para a região, como vinham prometendo, os sem-terra começaram a desmontar as barreiras que haviam erguido em torno do acampamento e as barracas de lona preta. Cerca de 200 deles saíram durante o dia. Os outros 750 têm um novo prazo, a próxima segunda-feira, e afirmam que vão cumpri-lo. Todos vão se instalar em acampamentos à beira de estradas na mesma região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.