Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

MST fala em tragédia anunciada e pede fim da impunidade

O Movimento dos Sem-Terra (MST) considerou uma “tragédia anunciada” o assassinato de ao menos nove sem-terra, quinta-feira (20), no distrito de Taquaruçu do Norte

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2017 | 11h37

SOROCABA – O Movimento dos Sem-Terra (MST) considerou uma “tragédia anunciada” o assassinato de ao menos nove sem-terra, quinta-feira (20), no distrito de Taquaruçu do Norte, em Colniza, extremo norte de Mato Grosso. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, a suspeita é de que os autores dos crimes sejam capangas de fazendeiros da região. Em nota, o MST alega que a chacina não é um fato isolado e lembra que há dois anos Josias Paulino de Castro e Irani da Silva Castro, dirigentes camponeses do município, foram assassinados 48 horas após denunciar ameaças para o ouvidor nacional do Incra.

Segundo a nota, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) apontou a região como uma das mais violentas do Brasil. “Essa onda de violência integra um avanço do modelo capitalista sobre os direitos dos trabalhadores, sobre a apropriação dos recursos naturais, terra, minerais e água. Avanço este potencializado pelo golpe que o Brasil está vivendo, e por projetos de lei como a PEC 215 que dispõem sobre as terras indígenas e quilombolas, a MP 759 que dispõe sobre a reforma agrária, e o PL 4059 sobre a compra de terras por estrangeiros, além de outros projetos e medidas provisórias que não são criados no sentido de resolver os problemas no campo, mas para aumentar a concentração fundiária.”

Ainda segundo a nota, nada está sendo encaminhado no sentido de impedir essas novas tragédias e “a repetição de outras que marcam o mês de abril, como Eldorado dos Carajás, que dia 17 completou 21 anos de impunidade” - em abril de 1996, dezenove sem-terra foram mortos em ação da Polícia Militar nesse município paraense. “Não podemos nos calar diante de tão grande dor; que nossa indignação alcance os responsáveis diretos e indiretos por este massacre, e que este não seja mais um caso de impunidade. Que o Estado não seja novamente conivente com os assassinos. A cada companheiro tombado, nenhum minuto de silêncio, mas toda uma vida de luta”, conclui o MST.

Governo

O secretário de estado de segurança de Mato Grosso, Roger Elizandro Jarbas, em nome do governo local, disse que é prioridade elucidar por completo a chacina que vitimou nove homens na quarta-feira em Taquaruçu do Norte, o mais breve possível. Segundo ele foi montada uma força tarefa para solucionar o crime horrendo.

O secretário espera que até quarta-feira, o mais tardar, já tenha conseguido identificar e prender os autores do crime. “Estamos com todas as forças de segurança na região inclusive o helicópteros do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) auxilia nos serviços de buscas e de investigações", disse.

O local da chacina é de difícil acesso. A base de apoio é o distrito de Guariba. As equipes especializadas da Polícia Militar e da Polícia Civil já trabalham nas investigações desde a quinta-feira. Segundo ele, na segunda-feira mais policiais serão enviados para a região. (Colaborou Fátima Lessa)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.