MST diz estar sendo ameaçado em fazenda invadida no PE

O coordenador de uma das microrregionais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) em Pernambuco, José Ricardo de Oliveira Rodrigues, disse hoje que os sem-terra que ocupam pela quarta vez a Fazenda Riachão de Dentro, em Canhotinho, no agreste, estão sendo ameaçados por pistoleiros que estariam rondando o local à noite e atirando. ?Já avisamos a polícia e nada foi feito?, afirmou.A propriedade, de 930 hectares, foi reocupada na terça-feira pela manhã por cerca de 300 sem-terra que arrombaram a porteira, destruíram um curral e um galpão e ocuparam a casa-grande (desabitada). José Ricardo, que participou da ocupação, reiterou que a invasão foi motivada pela destruição de parte da lavoura de subsistência que os agricultores sem-terra haviam cultivado na propriedade. ?Estamos aqui para garantir a compra da área pelo Incra através do artigo 433, e para preservar nossa lavoura?, afirmou. A superintendente regional do Inatituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Maria de Oliveira, já comunicado que a área não pode ser desapropriada nem adquirida sem que se faça vistoria e avaliação da terra. Desde o início do mês o MST promoveu seis ocupações e reocupações no Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.