MST deve evitar invasões próximas às eleições

Segundo coordenador do movimento, objetivo é poupar partidos aliados de críticas da oposição

Tiago Décimo, de O Estado de S.Paulo,

29 de janeiro de 2010 | 14h24

O Movimento dos Sem-Terra (MST) deve concentrar sua agenda de ocupações no primeiro semestre de 2010, diminuindo as atividades com a aproximação do calendário eleitoral. A estratégia, admite um coordenador do movimento, tem por objetivo não municiar a oposição com argumentos que possam prejudicar partidos ligados ao movimento.

 

Veja Também

especialDez anos de Fórum Social Mundial

link'Ditadura militar ainda está presente no Brasil', diz Boaventura

linkIdealizador do Fórum defende papel secundário para ONGs

 

O integrante da coordenação nacional do MST João Paulo Rodrigues avisa que, para a organização, o primeiro semestre será intenso, com muitas mobilizações e ocupações de terra. "Por ser um ano de eleições, tudo o que a gente faria no ano inteiro vai ter de fazer nos primeiros cinco ou seis meses", informa. "Além disso, é o último ano do governo Lula, que é um governo democrático, mas está deixando para trás um monte de promessas que não foram cumpridas."

 

Rodrigues, que participou, na manhã desta sexta-feira, 29, da mesa Reforma Agrária, Agricultura familiar e Soberania Alimentar, parte da programação do Fórum Mundial Social Temático Bahia, em Salvador, admite que a concentração dos eventos de mobilização no primeiro semestre vai ser feita para não prejudicar os partidos aliados ("PT, Psol, PSTU, etc", de acordo com ele) nas eleições. "Temos de ter o cuidado de separar as alianças partidárias em um momento como esse, focar nas alianças com movimentos sociais, demarcar bastante a nossa luta em torno da reforma agrária", avalia.

 

"Vamos também fazer uma campanha grande contra a criminalização dos movimentos sociais, porque nós achamos que vamos ser vítimas de um processo eleitoral e a forma de nos 'vitimizar' vai ser criminalizando nossa luta, como fizeram em Iaras (SP)", diz Rodrigues, referindo-se à operação da polícia civil que, esta semana, prendeu integrantes e pessoas ligadas ao MST por causa da invasão, em outubro, da Fazenda Cutrale, em Borebi (SP). Entre os presos está uma vereadora e um ex-prefeito de Iaras, ambos filiados ao PT.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
eleicoesMSTPTPSOLPSTU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.