MST desocupa sede do Incra em Cuiabá

Trabalhadores rurais ligados ao Movimento dos Sem-Terra (MST) desocuparam hoje a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Cuiabá, invadido na última segunda-feira por 500 famílias. A desocupação ocorreu mediante a promessa do Incra de realizar vistorias em dez áreas no Sul e Norte de Mato Grosso para assentar 2.500 famílias.Os sem-terra montaram acampamento em frente ao prédio e prometem invadi-lo novamente caso as reivindicações não sejam atendidas, informou Wender Girotto, um dos coordenadores do MST no Estado. Na pauta de reivindicação apresentada ao superintendente do Incra Petrus Emile Abi-Abib, o MST pede a emissão imediata dos títulos de posse das glebas Cajá, Santa Maria e Três Irmãos, localizadas em Cáceres, Oeste de MT.Os trabalhadores rurais mantém ocupação da Fazenda São Paulo, no Oeste do Estado, invadida no último dia 22. A fazenda tem 5 mil hectares e pertence a pecuarista Paulo Mendonça, que já ingressou com ação de reintegração de posse.Segundo o MST, a ofensiva em Mato Grosso é uma forma de protesto pela falta de infra-estrutura nos 28 assentamentos onde vivem 3.800 famílias. "Vamos continuar na frente do Incra porque sem estrada, água, luz e escola o assentado acaba abandonando o lote", disse Wendel Girotto.A Assessoria de Imprensa do Incra informou que todas as reivindicações feita pelo MST no Estado foram atendidas. Foi definido um calendário de reuniões entre líderes do MST e o superintendente Petrus Emile. No entanto, esclareceu a assessoria, o Incra não vai negociar caso o prédio volte a ser invadido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.