MST desfaz acampamento em Brasília

Os cerca de mil integrantes do MST que estavam acampados desde o dia três de setembro em Brasília retornaram para seus Estados. Depois de reaberta a negociação com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), o movimento pretende aguardar até dia 25, data da próxima reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), quando será votada a renegociação da dívida de R$ 1,127 bilhão dos agricultores com o extinto Procera. "A renegociação tem que sair logo, porque já estamos na época do plantio", afirmou João Paulo Rodrigues, um dos coordenadores nacionais MST. Segundo ele, até a reunião do CMN existirá uma espécie de trégua. "Mas a situação tem de ser resolvida esse mês." A preocupação do MST é que até o dia 25 não se solucione o problema do fundo contábil que administrava os recursos do Procera. Quando o programa foi extinto, o fundo ficou com um déficit de R$ 45 milhões, que precisa ser zerado pelo governo. Na reunião de quarta-feira com técnicos do Incra e do MDA, o MST saiu com a confirmação da meta governamental de assentamento de 60 mil famílias até o final do ano. Até a próxima semana, o movimento receberá um cronograma com a meta dividida por Estados. João Paulo disse que o governo tem números diferentes do movimento. Segundo ele, o Incra alega ter assentado 13 mil famílias este ano, mas pelos cálculos do coordenador existem famílias cadastradas como assentadas que, no entanto, ainda não estão na terra e com acesso ao crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.