Pablo Valadares/AE
Pablo Valadares/AE

MST deixa Ministério da Fazenda e diz ter conseguido reunião

Movimento dos Sem Terra afirma que governo cedeu e vai se reunir com o grupo

estadao.com.br,

11 de agosto de 2009 | 20h16

Os cerca de 3 mil manifestantes do Movimento dos Sem Terra que ocupavam a sede do Ministério da Fazenda desde a manhã desta terça-feira, 11, deixaram o prédio. Em nota divulgada pelo MST, o movimento afirma que aceitou sair do prédio devido a um compromisso do governo de promover um encontro entre líderes do MST e ministros.

 

Veja também:

linkIntegrantes do MST invadem saguão do Ministério da Fazenda

linkProtestos pelo Brasil: MST faz manifestações em 12 estados

 

Desde a manhã de terça-feira, membros do MST e Via Campesina fizeram protestos em 12 estados. Ocuparam quatro sedes do Ministério da Fazenda e três superintendências do Incra. O ato principal do movimento nacional foi a ocupação da sede de Brasília, do Ministério da Fazenda. O protesto do MST fez com que Guido Mantega, ministro da Fazenda, tivesse que despachar fora do ministério, pois os manifestantes impediam a entrada de funcionários no prédio.

 

Durante a tarde, uma oficial de justiça foi ao local para entregar uma intimação que ordenava a desocupação do prédio. Inicialmente, João Paulo Rodrigues, dirigente do MST, se recusou a assinar e assim confirmar que recebeu a intimação. Porém a oficial de justiça o lembrou que caso ele não assinasse, todos os protestantes estavam automaticamente intimados. Então, Rodrigues cedeu e assinou o documento. O MST terá que pagar uma multa de R$ 50 mil pela ocupação.

 

A nota divulgada pelo Movimento dos Sem Terra declara que uma comissão do movimento será recebida na semana que vem pelos ministros Dilma Roussef (Casa Civil), Guido Mantega (Fazenda) e Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário); o local ainda não está definido.

 

Exigências

 

O MST alega que o governo Lula privilegia o agronegócio ao invés da agricultura familiar. O movimento reivindica o assentamento imediato de 90 mil famílias, além do descontingenciamento de R$ 800 milhões do orçamento do Incra para este ano e maiores investimentos na política de assentamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.