MST de Ribeirão Preto também protesta no Dia da Mulher

Cerca de 80 mulheres e 30 crianças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), dos acampamentos Mário Lago (Ribeirão Preto) e Sepé Tiaraju (Serra Azul), fazem hoje uma manifestação em frente ao prédio da Justiça Federal, em Ribeirão Preto. O grupo tinha três objetivos: fazer um estudo sobre o Dia Internacional da Mulher, mostrar a campanha de sementes do MST e pedir à Justiça Federal a agilização no processo de desapropriação da Fazenda Da Barra, de Ribeirão Preto, que está parado desde novembro de 2002."Queremos que a Justiça Federal daqui interceda para que tenha andamento o processo, que está há quase dois anos parado no Tribunal Regional Federal, em São Paulo", diz a diretora estadual do MST, Kelli Mafort. Segundo ela, a manifestação foi marcada para hoje em função da comemoração do Dia Internacional da Mulher.O Acampamento Mário Lago existe em Ribeirão Preto desde agosto de 2003, quando um grupo ocupou uma área particular, ao lado da Da Barra - não invadiram a área desejada, privada e penhorada pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), em fase de desapropriação pelo governo.Cerca de 250 famílias (aproximadamente 600 pessoas) estão, desde dezembro, a cerca de 8 quilômetros da fazenda na qual querem ser assentadas, a Da Barra, com cerca de 1.530 hectares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.