MST bloqueia estradas em protesto contra troca no Incra

Direção nacional do Incra em Brasília não confirma a saída do superintendente Luiz Carlos Bonelli

João Naves de Oliveira, de O Estado de S. Paulo,

28 de janeiro de 2008 | 17h01

Os sem-terra e assentados pela reforma agrária no Mato Grosso do Sul realizaram nesta segunda-feira, 28, novos bloqueios nas principais rodovias federais que cruzam o Estado. Além do MST (Movimento de Trabalhadores Rurais Sem-Terra), o segundo maior em quantidade de ativistas, participam das manifestações outras quatro entidades, todas contra a substituição do superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Luiz Carlos Bonelli.   Os bloqueios começaram por volta de 7 horas e terminaram no início da tarde. Foram distribuídos pelotões de choque da Polícia Militar em pontos estratégicos. O único conflito da manifestação aconteceu às 13 horas, quando os sem-terra resolveram retomar o bloqueio na BR-163, distrito de Anhandui, em Campo Grande. Policiais Militares utilizaram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar os 300 manifestantes. Dois ônibus e cinco automóveis foram apreendidos no local. No Parque dos Poderes, centro político-administrativo do MS, saídas e entradas foram vigiadas com barreiras policiais.   Um grupo de 10 sem-terra foi preso e liberado em seguida, o que poderá aumentar os protestos, segundo prevê dirigentes do MST. Entretanto, o senador Valter Pereira de Oliveira (PMDB-MS), ex-suplente do senador Ramez Tebet, declarou que a movimentação não prejudica o seu objetivo.   A direção nacional do Incra em Brasília não confirma a saída de Bonelli, mas o senador Valter Pereira de Oliveira afirma o contrário, apontando como substituto o professor universitário Flodoaldo Alencar Alves, filiado ao PMDB-MS. "Há um ano eu indiquei Flodoaldo para o cargo e não é agora que vou desistir dessa nomeação", afirmou o senador.   Valter afirmou também que "o motivo que segura Bonelli no cargo é porque ele consegue assentar 150 famílias onde só cabem 50. Essa mágica está encantando a direção nacional do Incra. Bonelli, vai cair e o professor Flodoaldo será nomeado em seu lugar nos próximos dias. É um processo sem volta".   Paulo Cezar de Farias, coordenador da FAF (Federação da Agricultura Familiar), ressalta que "o Flodoaldo não vai assumir o cargo. Vamos invadir o Incra em todo o Estado, assim que sair a nomeação desse homem". A FAF é a terceira organização de sem-terra em número de filiados. A primeira colocada é a Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura), cujo presidente, Geraldo Teixeira de Almeida, tem a mesma disposição de Farias.   O MST e a Cut-Rural já demonstraram apoio aos manifestantes através de nota distribuídas à imprensa, e nesta segunda, juntamente com as demais organizações, mostraram mais força em relação aos bloqueios organizados na última sexta-feira. Foram mobilizadas mais de 3 mil pessoas que bloquearam seis pontos diferentes nas rodovias BR-163, BR-262 e BR-267, no extremo sul e região leste do Estado, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal. Na sexta-feira, o número de participantes nos bloqueios chegou a quase 1.500.   Bonelli retornou nesta segunda ao trabalho, depois de cumprir o período de férias. Ele informou que ainda não têm elementos necessários para falar sobre o assunto e se manifestará quando for possível.

Mais conteúdo sobre:
MSTIncra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.