MST bloqueia BR-163 para pressionar Incra

Quase dois mil sem-terra integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra bloquearam nesta segunda-feira cinco pontos da BR-163 numa extensão de 100 quilômetros, trancando o tráfego de veículos nos dois sentidos da rodovia. A manifestação começou às 6h, entre as cidades de Mundo Novo e Naviraí, no Mato Grosso do sul, região sul do Estado. Não há previsão para o fim dos bloqueios. No local, indiferentes a irritação de motoristas e passageiros, distribuíram cartas explicando que exigem a compra das fazendas Santo Antônio (9,5 mil hectares), Caburé-y 1 (3 mil hectares), Caburé-y 2 (2,3 mil hectares), Caburé-y 3 (1,8 mil hectares), situadas em Itaquiraí, município vizinho de Naviraí. Os imóveis foram avaliados em R$ 125 milhões, há um ano. Em novembro de 2005, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) prometeu fechar a compra e assentar 1.600 famílias de sem-terra nas quatro áreas que são contíguas. Na ocasião, um dos procuradores do órgão em Brasília, baseado em lei de 1937, interrompeu o negócio alegando que áreas na fronteira com outros países são da União e devem ser requisitadas pelo governo sem indenização dos titulares. Há dois meses, o parecer do procurador foi recusado depois de intensas discussões. Porém, o atraso na conclusão das aquisições, fez com que os proprietários solicitassem a atualização dos preços. É o que técnicos do Incra estão apurando, conforme explicou o superintendente, Luís Carlos Bonelli, que está em Brasília resolvendo a questão. Segundo ele, são 21 fazendas que estão em fase de compra no Estado. Os motoristas buscam alternativas por estradas vicinais ou estacionando os veículos em postos de combustíveis. Os sem-terra estão preparados para passar a noite no local e prosseguir com o movimento na terça.

Agencia Estado,

04 Dezembro 2006 | 18h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.