MST anuncia ocupações em Minas Gerais

Dezenas de pessoas ligadas ao MST fizeram manifestações hoje, em Belo Horizonte, a exemplo do que ocorreu em outras capitais, em protesto pela impunidade no caso do assassinato de 19 sem-terra, em Eldorado do Carajás, há cinco anos. O coordenador do MST no Estado, Ênio Bonenberger, aproveitou o protesto para avisar aos governos federal e estadual que, nos próximos dias, o movimento deverá iniciar uma série de invasões em Minas Gerais.Segundo Bonenberger, a medida é decorrência do não atendimento de reivindicações da entidade, que há poucos dias promoveu a ocupação da fazenda Renascença, do embaixador do Brasil na Itália, Paulo Tarso Flecha de Lima, em Uruana. "Nossa paciência com o governo acabou, vamos começar a ocupar", afirmou o dirigente, lembrando que o MST tem mapeados 11 milhões de hectares de terras passíveis de reforma agrária em Minas Gerais. "É o único caminho que nos resta", acrescentou.As manifestações na capital mineira começaram na Praça da Estação, no centro. Com tarjas pretas nos braços, em sinal de luto pelos mortos de Eldorado do Carajás, cerca de 100 homens, mulheres e crianças, vindos de diversas regiões do Estado, seguiram em passeata à sede do Tribunal de Justiça, onde fizeram um ato ecumênico na escadaria. Depois, vigiados por policiais militares, foram para a praça em frente à Assembléia Legislativa, onde acamparam. Uma comissão do grupo foi recebida por deputados da Comissão Estadual de Direitos Humanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.