MST amplia invasão em fazenda no oeste

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) ampliaram nesta segunda-feira, 26, a invasão da Fazenda Floresta, ocupada desde o último sábado, em Araçatuba, noroeste de São Paulo. Um ônibus e vários carros chegaram de manhã, trazendo mais invasores. Uma parte do grupo era composta por integrantes da Federação dos Empregados Rurais Assalariados do Estado de São Paulo (Feraesp). Também entraram na área acampados ligados ao líder do MST, José Rainha Júnior. A fazenda, de 932 hectares, está toda plantada com cana-de-açúcar. Os novos barracos foram montados nas trilhas do canavial. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Sintraf), José Carlos Bossolan, já são cerca de 400 os ocupantes da fazenda. Segundo ele, o objetivo é pressionar o Incra para transformar a área em assentamento. A Floresta foi considerada improdutiva em 2001, mas a proprietária, Edméa Carvalho Affonso, entrou com recurso, que ainda não foi julgado. A lavoura de açúcar pertence à usina Álcool Azul, da qual Edméa é sócia. Até esta segunda, os proprietários não tinham entrado, no Fórum da cidade, com o pedido de reintegração de posse. Segundo Bossolan, há pelo menos dez áreas na mesma situação na cidade. O MST e os sindicatos querem pressionar o Incra para que as terras sejam liberadas para assentamentos. Estão previstas novas invasões na região. "Nosso carnaval ainda não acabou", disse o líder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.