MST adere a protestos contra demissões em Curitiba

'Este é um ato de unidade', diz líder do movimento; também pariticparam Força Sindical, CUT e estudantes

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

30 de março de 2009 | 16h25

Representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) uniram-se ao protesto organizado pelas entidades sindicais nesta segunda-feira, 30, em Curitiba, para marcar o Dia Internacional de Luta em Defesa dos Empregos. "A luta tem que ser ampliada, pois temos que nos defender contra o inimigo maior que é a burguesia", pediu o líder regional do MST Roberto Baggio. "Este é um ato de unidade." Além do MST, participaram representantes da Força Sindical, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), vários sindicatos e estudantes.

 

No caminho entre a Praça Santos Andrade e a Assembleia Legislativa, onde fizeram protesto contra deputados que rejeitaram uma proposta de emenda constitucional que vinculava incentivos fiscais e financeiros à manutenção de empregos e onde pediram a aprovação do salário mínimo regional de R$ 629, eles pararam em frente ao prédio da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) e do Banco Central. Neste, a parede foi pichada com a inscrição: "Chega de demissões, a crise é do patrão".

 

Para Baggio, o Banco Central "aplica o dinheiro para preservar interesses dos capitalistas falidos". "Os recursos recolhidos devem ser investidos em benefício do conjunto da população com políticas públicas de saúde, educação, reforma agrária e salários", acentuou. De acordo com o diretor da Força Sindical no Paraná, Nelson de Souza, o objetivo foi chamar a atenção da sociedade sobre a gravidade da crise. Ele acentuou que os efeitos já são sentidos no País, principalmente em demissões. "Nós sabemos que não é uma crise por falta de produção, mas por falta de crédito", destacou. Ele foi um dos que discursaram pedindo a redução imediata dos juros.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTreforma agrária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.