MST acampa em terreno do Incra em Porto Alegre

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) montou um acampamento com 500 famílias num terreno vizinho aoprédio da superintendência regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), na região central de PortoAlegre, nesta quarta-feira. Também montou três barracas dentro do terreno da autarquia, que servirão de apoio aos militantesque prometem circular pelo pátio até que o governo federal anuncie a aquisição de terras para assentamento de parte das 2,5 milfamílias acampadas no Rio Grande do Sul. ?Não tínhamos mais para onde ir?, explicou um dos coordenadores estaduais do MST, Igor Nascimento. Os acampados foram despejados da beira da BR-386, em Nova Santa Rita, há duas semanas. Depois de perambular pela região metropolitana de Porto Alegre, o grupo havia se instalado no parque da Harmonia, no final de semana. Delá mudou-se para o entorno da sede do Incra nesta quarta-feira.Segundo integrantes do MST, o acampamento próximo ao Incra servirá para lembrar diariamente à autarquia que o acordo deCarazinho, celebrado em 13 de maio, ainda não foi cumprido. O MST alega que naquela data o Incra se comprometeu a começara assentar os sem-terra em um mês. Diante daquela promessa, o MST desocupou a Fazenda Guerra, que havia invadido, emCoqueiros do Sul.Em reunião com uma comissão dos sem-terra, o superintendente do Incra no Estado, Roberto Kiel, disse que dispõe de verbase está intensificando a procura por terras. A dificuldade está em encontrar vendedores. Com a nova forma de pressão, o MST encerrou o jejum que promovia em Porto Alegre, Santa Maria, Pelotas e Carazinho. Durante 15 dias, equipes de 14 pessoas se revezavam e ficavam sem comer durante 48 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.