MST acampa em frente ao BankBoston em Goiânia

Manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) passaram o dia concentrados na porta do BankBoston, na Avenida República do Líbano, um dos pontos nobres de Goiânia.O protesto é mais um de uma série de manifestações programadas na capital goiana em protesto contra a impunidade dos acusados do massacre de 19 integrantes do movimento em Eldorado dos Carajás, no Pará, em 1996.Às 16 horas, cerca de 700 integrantes do MST se encontraram em frente à Catedral de Goiânia para um ato público. Cerca de 50 pessoas acamparam na calçada e na porta da agência cantando músicas de protesto e gritando palavras de ordem.Cerca de 50 policiais militatares estão acompanhando o grupo de sem-terra. Na chegada ao banco, cerca de dez manifestantes chegaram a entrar dentro do prédio, mas foram retirados pelos policiais.Um dos coordenadores da equipe da PM, tenente-coronel Fábio Antônio Marques, disse que mais 40 policiais do Batalhão de Choque reforçariam a segurança no local. "Estamos próximos da Receita Federal. Se houver risco de invasão do prédio, temos de estar prontos para contê-los", justificou.O coordenador estadual do MST em Goiás, Paulo Sérgio Gomes, disse que a ocupação da entrada do banco é uma forma de protestar contra a entrada de bancos estrangeiros no Brasil. "Eles não pertencem a nós. Não os queremos aqui", afirmou.O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), rebateu as críticas feitas na véspera pelo Movimento dos Sem-Terra sobre o isolamento da Praça Cívica, que está sendo feito por policiais militares desde o último domingo. "Seria o fim da picada permitir que eles acampassem na praça", afirmou o governador em entrevista coletiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.