MS poderá ter 40 mil famílias acampadas, prevê MST

Até o final deste ano, Mato Grosso do Sul terá mais de 40 mil famílias acampadas no Estado, segundo estimativas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Atualmente, o número de famílias de sem-terra acampadas em Mato Grosso do Sul chega a 25 mil, informou o movimento. O aumento, segundo o coordenador regional do MST, Egydio Bruneti, deve-se à chegada de milhares de brasileiros que viviam até agora no Paraguai.

AE, Agência Estado

03 Maio 2010 | 12h02

Conhecidos também como "brasiguaios", esses brasileiros estariam abandonando as terras do país vizinho em decorrência de perseguições e até de ameaças de morte, segundo o líder do MST. "Grupos mercenários, servidores de grandes fazendeiros, fortemente armados, chegam quebrando tudo. Quem não foge fica com a moradia, sem um palmo para plantar, olhando os invasores transformar tudo em lavouras de soja", disse Bruneti.

Ainda de acordo com o seu relato, representantes do MST assistiram a cenas de violência contra brasileiros em diversas regiões do País. O lugar considerado mais crítico fica na região de Santa Rita, próxima à fronteira com o Estado do Paraná. De acordo com ele, a violência atinge principalmente pequenos e médios produtores. Bruneti também disse que as terras, depois de desocupadas, são arrendadas por paraguaios a grandes produtores, muitos deles brasileiros. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
terra MST brasiguaios Paraguai MS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.