MS: duelo de críticas e obras

O prefeito de Campo Grande, André Puccinelli (PMDB), deu o troco às críticas feitas durante a semana passada pelo governador de Mato Grosso do Sul, José Orcirio Miranda dos Santos, o Zeca do PT. Foi o lançamento de um pacote de obras públicas na área central e 30 bairros da cidade, no valor de R$ 84 milhões, ocorrido durante a noite de sexta-feira última. São 183 canteiros de obras que começam a ser instalados nesta segunda-feira.Do total das obras, o governo do Estado participa apenas com R$ 50 mil, enquanto o governo federal aplicará cerca de R$ 30 milhões. Em uma das críticas, conforme observaram partidários de Puccinelli, Zeca do PT afirmou que o prefeito ?deveria deixar de ser Andréa, que é seu nome de batismo, e ser André?, completando que nasceu à beira do Rio Paraguai tomando água de camalote e não tem medo de "italiano autoritário". O ataque surgiu um dia depois de Puccinelli ter comentado que se as próximas eleições fossem atualmente, o PMDB ganharia disparado.Zeca analisou essa afirmação e atacou o prefeito. Puccinelli não considerou o caso como agressão verbal, evitando qualquer comentário sobre o assunto. Ele se limitou a dizer que está preparando uma boa resposta para o governador.Estiveram presentes ao lançamento das obras, os senadores Ramez Tebet (PMDB), Juvêncio César da Fonseca (PMDB) e Ludio Martins Coelho (PSDB), além dos deputados federais Marisa Serrano (PSDB) e Valdemir Moka (PMDB). O evento lotou o salão de festas do Clube Estoril, na periferia da cidade, com a presença de quase quatro mil pessoas. Hoje, o governador Zeca do PT, não quis comentar o acontecimento, principalmente as observações de políticos ligados ao prefeito, de que o lançamento das obras foi ?um tapa de R$ 84 milhões?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.