MPs devem manter trancada pauta da Câmara

As votações da Câmara dos Deputados vão seguir hoje o ritmo lento verificado nas últimas semanas, com a pauta devendo continuar trancada por medidas provisórias. Em reunião do presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP), com os líderes partidários, ficou acertado que será votada a Medida Provisória 430, que abre crédito extraordinário do Orçamento ao Ministério do Planejamento. Essa MP deverá ser derrubada na votação, porque projeto semelhante já foi aprovado em sessão do Congresso.O segundo ponto da pauta, a MP 431, que concedeu reajustes a diversas categorias de servidores públicos, deverá ficar apenas na etapa de leitura do parecer do relator, deputado Geraldo Magela (PT-DF). A MP é considerada complexa e o parecer até agora não foi apresentado aos deputados. Magela incluiu aumento para outras categorias não contempladas no texto original da MP. O deputado Bruno Araújo (PE), vice-líder do PSDB, afirmou que a probabilidade de os deputados votarem essa MP é pequena. "Não há obstrução nessa MP. Há discussão de mérito que enseja um longo processo de negociação. Não nos interessa politicamente obstruir a votação dessa matéria", afirmou Araújo.A próxima semana já vai começar com a MP de renegociação de dívidas agrárias também trancando a pauta. Não há acordo em torno dessa MP. O DEM, por exemplo, considera que a medida provisória só atende aos produtores do Sul e do Sudeste. O partido adianta que só votará a proposta se os benefícios nela previstos forem estendidos aos produtores das outras regiões. Além dessa MP, também estará trancando a pauta a medida provisória que prevê isenção de tributos na importação e comercialização de trigo e de pão. Nesse ritmo de votação, a Câmara deverá entrar no período de recesso de julho, com início no dia 18, com a pauta trancada por MPs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.