MPF vai apurar conta de Maluf em paraíso fiscal

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou representação para apurar denúncias de que o ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) e seus familiares teriam depósitos que totalizariam US$ 200 milhões ? cerca de R$ 478 milhões ? em contas nas Ilha de Jersey, paraíso fiscal localizado no Canal da Mancha e que pertence ao Reino Unido. A representação chegou nesta terça-feira ao Cartório Criminal da Procuradoria da República e deverá ser investigada, a partir desta quarta-feira, pela procuradora Denise Neves Abade. As denúncias foram apresentadas em telejornais da Rede Globo e teriam partido de autoridades financeiras da Ilha de Jersey, que comunicaram as suspeitas contra Maluf ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda.O Coaf troca habitualmente informações com órgãos de inteligência de vários países para coibir a lavagem de dinheiro. De acordo com uma fonte do órgão, quando há forte indícios da ocorrência desse tipo de crime, o fato é levado ao conhecimento da Polícia Federal ou ao Ministério Público.Adilson Laranjeira, assessor do ex-prefeito, afirmou nesta terça-feira que a abertura do procedimento no MPF "é excelente, para que se apure a verdade".O ex-prefeito afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não existem contas bancárias no exterior em seu nome ou de qualquer pessoa de sua família e que as denuncias são uma campanha para atrapalhar sua candidatura ao governo do Estado de São Paulo, no ano que vem.O advogado de Maluf, Eduardo Nobre, afirmou que até o início da noite desta terça o ex-prefeito não havia recebido nenhuma comunicação oficial sobre as denúncias. "Tudo o que temos são reportagens divulgadas pelos meios de comunicação e agora esperamos que o Ministério Público apresente documentos sobre estas denúncias", afirmou ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.