MPF no DF denuncia ex-reitor e quatro servidores da UnB

Eles são acusados de peculato, por desviar cerca de R$ 24 milhões da Fundação Universidade de Brasília

Agência Brasil

16 de setembro de 2008 | 17h20

O ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB) Lauro Morhy, a ex-diretora do Centro de Seleção e Promoção de Eventos (Cespe) da universidade Romilda Macarini, dois ex-diretores e um então funcionário da Fundação Empreendimentos e Tecnológicos (Finatec) foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) no Distrito Federal à Justiça. Eles são acusados de peculato, por desviar cerca de R$ 24 milhões da Fundação Universidade de Brasília (FUB). A verba seria destinada à execução de um contrato com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Morhy é o segundo ex-reitor da UnB denunciado pelo Ministério Público por desvio de recursos da Finatec. Depois dele, Tiimothy Mulholland também foi afastado, em 2008, e responde a acusações de malversação de dinheiro da universidade. Na denúncia contra Lauro Morhy e quatro servidores da UnB, o MPF informa que, entre 1998 e 2001, a Finatec recebeu R$ 140 milhões para executar um contrato com o INSS. De acordo com as investigações do MPF, havia sido criado um mecanismo para ocultar os R$ 24 milhões a mais repassados para a Finatec pela FUB. Esse valor seria resultado do pagamento de serviços que não foram prestados ou de superfaturamento dos preços cobrados ao INSS. Além disso, a Finatec foi subcontratada com dispensa irregular de licitação. Segundo as investigações do MPF e da Polícia Federal, a conduta é comum para o desvio de dinheiro público por dirigentes da UnB nos últimos anos. O contrato da FUB com o INSS também é objeto de uma ação de improbidade administrativa proposta pelo MPF em 2005, que acusa o INSS de contratar a FUB para prover suas agências de mão-de-obra terceirizada em lugar de contratar servidores por concurso público.

Tudo o que sabemos sobre:
UnBservidorescartões corporativos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.